terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

Campanha da APARF 2021

 


Na impossibilidade da dinamização da recolha de donativos para a Associação Portuguesa Amigos de Raoul Follerau (APARF) junto dos nossos alunos e colaboradores, devido à interrupção letiva decretada pelo governo no contexto do aumento de casos da Covid-19, de acordo com o Plano Anual de Atividades 2020/21, convidamos todos os que se sintam motivados a cooperar com esta Associação humanitária a entrar no site https://aparf.pt/ e enviar o seu donativo diretamente para a associação através dos meios disponíveis.

Infelizmente a lepra ainda é uma realidade no século XXI e é nosso dever permanecer alerta para este drama que ataca diretamente a dignidade da pessoa humana, a qual nos comprometemos vivamente por promover e defender, particularmente nos países mais desfavorecidos, cujos meios para a realização dos tratamentos necessários ainda não chegam a todos.

Bem haja pela vossa ajuda!

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2021

EMRC em tempo de pandemia?


Não será novidade para ninguém o facto de que a nossa disciplina sofreu um duro golpe, neste ano letivo, quanto ao número de inscrições. Sabemos que os tempos difíceis que todos atravessamos não ajuda em nada e os receios de muitos, bem como os necessários ajustes nos horários, diminuíram o número de inscritos... Mas o número daqueles que continuam a acreditar na nossa disciplina não diminuiu!
Sabemos que são tempos que exigem muito a todos, mas a alguns é requerido um esforço suplementar. É o caso da nossa disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica.
No entanto, porque continuamos a acreditar convictamente que este é um projeto que integra e acolhe todas as dimensões da pessoa humana e promove a sua dignidade, bem como a igualdade e a fraternidade entre todos, apelamos para uma atenta e renovada sensibilização junto dos nossos alunos e, particularmente, dos seus Encarregados de Educação para a relevância desta escolha e para o contributo que EMRC tem no processo formativo dos nossos futuros cidadãos e cidadãs.
Queremos um mundo melhor? Então, esse futuro está nas nossas mãos enquanto educadores que somos; e educadores para VALORES!
Parece que, cada vez mais, vivemos tempos em que tudo aquilo que exige de nós uma opção radical, isto é, um compromisso, é entendido como menor e menos importante... Estamos todos sobrecarregados de deveres e de obrigações; os nossos alunos também. Vivemos tempos em que os compromissos já não se honram e a palavra dada, essa leva-a o vento das infindas burocracias e dos afazeres da "máquina" escolar.
Estamos "confinados" a uma vida de obrigações e quando surge algo que é uma OPÇÃO, estamos acostumados a considerar que não serve para nada.
EMRC é um tempo na semana em que os nossos meninos e meninas podem alargar os seus horizontes a uma imensidão de experiências, quer na relação com os outros, quer na descoberta que eles fazem autonomamente do sentido das suas vidas.
EMRC é uma opção que visa alcançar e atingir a totalidade da pessoa humana e, na escola, essa pessoa humana tem rostos muito concretos: são os nossos alunos, as suas famílias, os seus professores e a comunidade escolar.
Portanto, confiamos firmemente na colaboração de todos para continuarmos a fazer de EMRC, mesmo em tempo de pandemia, uma opção válida, consciente e com valor em prol da educação verdadeiramente integral e de excelência dos nossos alunos e das nossas alunas.

Bem haja pelo vosso apoio, que tanto enobrece e enriquece a nossa missão de professores de EMRC neste Agrupamento de Escolas Soares dos Reis. 
Muita força para os próximos tempos de E@D!

quinta-feira, 17 de dezembro de 2020

Santo Natal de 2020!


Ao aproximar-se o final de um ano completamente atípico para todos nós, em que a palavra "confinamento" se tornou viral, devido ao facto da pandemia Covid-19 nos ter roubado, aparentemente, muitos sonhos e oportunidades a curto e médio prazo, reforçamos um apelo à esperança!

O amor nunca poderá ficar confinado e, se neste momento nos encontramos impedidos de manifestações físicas de gentileza e afeto, tão típicos do nosso "ser português", convidamos todos, neste Natal, a realizar gestos de proximidade social e promoção da dignidade da vida humana. Um telefonema ao avô que se encontra no lar, uma mensagem de esperança a um amigo, um simples "bater na porta" do vizinho da frente e perguntar se está tudo bem, se precisa de alguma coisa... Pequenos gestos fazem os verdadeiros milagres, que não podem ser apenas lembrados nesta época natalícia mas devem rasgar horizontes e acompanhar-nos ao longo da vida.

Não fiquemos confinados num mundo virtual, aparentemente cheio de potencialidades mas que, no fundo, muitas vezes nos distraem da vida real e nos remetem, futuramente, ao esvaziamento das relações humanas. É certo que, por enquanto, estamos obrigados ao distanciamento físico e ao uso de máscaras (que nos anulam a identidade) mas ninguém nos pode tirar o olhar de esperança. Avancemos, então, rumo ao futuro, de olhos bem abertos! Nem tudo poderá "ficar bem" mas, certamente, está nas nossas mãos que o futuro de alguém possa ser um pouco menos penoso.

A toda a comunidade escolar 
do Agrupamento de Escolas Soares dos Reis, 
os professores de Educação Moral e Religiosa Católica 
endereçam os sinceros votos de um Santo Natal 
e um ano novo de 2021 cheio de saúde e esperança!

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Comemoração da Semana de S. Martinho | 2020

Entre os dias 09 e 13 de novembro realizou-se a semana cultural comemorativa de São Martinho, com a participação dos nossos alunos que comprovaram a alegria de ser EMRC cheeeeios de criatividade!














sábado, 10 de outubro de 2020

 ANO LETIVO 2020 / 2021

Ao "NOVO NORMAL" das @ulas de EDUCAÇÃO MORAL


Um abraço dos teus professores de EMRC

Manuel Alberto Oliveira
e
Mário Rocha

sexta-feira, 24 de julho de 2020

quinta-feira, 23 de julho de 2020

COM VOTOS DE BOAS FÉRIAS




De: Morador
Para: Planeta Terra

Olá querida Terra,

·          Nós todos habitamos em ti, por essa razão, temos que cuidar muito bem de ti.  Em geral, as pessoas não ajudam a contribuir para uma melhor vida, mas com muito respeito a ti prometo que toda a gente vai mudar, porque és o único local onde existe vida. Temos de mudar a nossa maneira de te tratar e de te agradecer. Talvez agora se consiga pensar melhor sobre formas de te habitar e tratar.

·         Eu, como teu habitante, não gosto de muitas atitudes que as pessoas ao meu redor têm para contigo, não me sinto bem com tudo isso, portanto vou-me esforçar para as consciencializar. Por vezes, nós jovens adolescentes, esquecemo-nos de conversar sobre estes assuntos…

·         Desde que nós começamos a inventar fontes poluidoras, estragámos-te. Não temos muito tempo para reparar esses estragos que te fizemos, por isso, eu prometo que vou fazer os possíveis para que toda a gente se una. Poderei começar pela minha família, pelos meus grupos, pela minha turma. Sei que pequenas atitudes de muitos humanos, farão toda a diferença para seres mais saudável e consigas “respirar” melhor. Sei que se consegues respirar melhor, todos nós seremos beneficiados – pessoas, animais, rios, oceanos, florestas… Juntos somos mais fortes! Juntos tentaremos contrariar a poluição.

As melhoras!

Tomás dos Santos – nº 27 – 8º D



 Se a nossa Terra, nosso Planeta, é uma dádiva (oferta) de Deus, porque a tratamos tão mal?


Meu          Querido Planeta Terra,

Há já muito tempo que gostava de lhe escrever…
Têm acontecido tantas coisas por aqui… O mundo todo foi atacado por uma grande pandemia, um vírus que nos tem levado a melhor. Têm sido tempos complicados para muitas famílias. Aqui, em Portugal, preveem-se grandes problemas, mas, pelo menos, temos alguns dos cuidados de saúde necessários e, desde o início, foram tomadas as atitudes necessárias para se evitarem tragédias ainda maiores.
Mas, e tu velha amiga? Tudo isto tem-te feito bem, não é verdade? Menos poluição, redução da utilização excessiva dos teus recursos.... Ouvi dizer que estás novamente mais saudável. Quem me dera ver-te verdinha e reluzente como sei que um dia foste! Sabes, a humanidade está a destruir o nosso bem mais preciso, que és tu. A ganância levou-nos tão longe e é em momentos como este que se vê perfeitamente a outra metade das coisas. Tantos países em que aconteceram coisas ultrajantes, como se tudo isto não passasse de uma guerra, de um ataque político. É patético assim…. É muito triste. Não valorizamos nada daquilo que nos ofereces diariamente, estamos a destruir-te bocadinho a bocadinho, arruinando tudo o que construíste e um dia há de ser o teu fim e o nosso também.
Ao início foi muito difícil. Custou adaptar-me a estar sempre em casa, a não ver o mundo, o sol, as tuas paisagens, sentir as brisas frescas da manhã, a vida, a tua alegria… abdicar de ser livre por um bem muito maior. Às vezes, pergunto-me porque é que não és, também tu, o nosso bem maior. Pouco a pouco, depois de muito me queixar, habituei-me e comecei a gostar desta nova realidade, mas nada se compara às alegrias do teu mundo. Agora, são vinte e quatro horas sobre a escola e não sei dizer como seria voltar à situação de normalidade em que nos encontrávamos há três meses.
Estamos a acabar as aulas e pretendo gozar o verão o melhor que puder, porque tudo isto me fez dar muito valor a coisas que tinha e que adorava e nem sabia. Sinto falta de ir à praia, passear, ver pessoas diferentes. Com esta situação, percebi quem sempre esteve lá para mim. Percebi que, por vezes, é difícil lidar com a nossa família e que é a distância que fortalece o nosso amor, mas não deixam de ser a minha família.
Quero que saibas que reconheço o mal que te fazemos e prometo olhar por ti. Prometo entregar-te o meu amor e a minha vida. Mudar o mundo! Vou mostrar às pessoas o quanto és importante e como precisamos de ti saudável, feliz e preservada para gozar a nossa vida e construir um futuro para ti e para nós. Afinal, sem ti, não existiríamos! E, com isto, digo-te apenas obrigada e peço desculpa pelos milhões de pessoas que não fariam nunca o que fazes por todos nós.

De uma habitante agradecida, que gostava de mudar o mundo,
Sofia Miranda          8º  ano           Turma: C


 Carta
Os dias de hoje têm sido dias difíceis onde todos temos de ser responsáveis não só por nós mas também pelos outros. Temos de ter os cuidados já referidos imensas vezes tanto por políticos como na televisão, nas redes sociais, por toda a Internet e pelos Professores/as.
Claro que todos temos de apanhar um pouco de ar e de estar ao ar livre, mas isso não impede que cumpramos o que nos tanto é pedido.
As nossas mudanças comportamentais não são muito difíceis de cumprir, pois só temos de manter o distanciamento social , utilizar máscara que já passou a ser o novo “normal’’, lavar muitas mais vezes as nossas mãos e por isso já estamos habituados e temos de resistir aquelas idas à praia com os amigos , mas é tudo para sairmos disto tudo ainda mais fortes do que quando tudo começou. 
Tal como nos foi pedido pela nossa Professora, escrever esta carta convida a uma auto reflexão sobre os nossos atos e as consequências dos mesmos. Sei que o Planeta Terra está a ser mal tratado por nós, sei que resistimos a algumas das boas práticas que nos são pedidas, sei que devemos fazer muito mais pelo bem de toda a humanidade. Planeta Terra, desculpa esta nossa distração, pois teremos e talvez já se esteja a ter, consequências destes nossos maus hábitos. Esta pandemia, deve de nos fazer pensar e fazer mudar muitos aspetos em nós.
Obviamente eu próprio tenho receios e sei o que significa esta doença e o que ela nos pode causar, mas alguma vez teremos de sair de novo à rua e fazer a nossa vida, mas temos de ir fazendo isso aos poucos.
Eu mesmo senti consequências , eu já não abraço alguém da minha família , sem ser do meu núcleo familiar há quase 3 meses, mas sei que se fizer o que é pedido quando isto acabar vou dar um GRANDE abraço a toda a minha família! 
Por isso só quero que toda a gente tente ao máximo cumprir o que a DGS e as outras agências dizem para fazermos, para isto acabar o mais rápido possível.
Quero dar um especial obrigado a todos os que estão nesta luta contra este inimigo!!!
Planeta Terra, aguenta-te!!!

Cumprimentos do,
 Henrique Antelo

            
Querida e estimada Terra,

Escrevo-te esta carta para te pedir mil desculpas, por tudo o que eu e todos os seres humanos te têm feito de mal ao longo desta tua longa vida!
Eu sei que “nós” somos muito egoístas e só nos estamos a preocupar com o nosso bem-estar e nem estamos a querer saber de ti e do que tu sentes! Infelizmente, eu não posso mudar a maneira de agir e a personalidade de outras pessoas e obrigá-las a deixar de ser tão más, egoístas e prejudiciais para ti e para nós, porque ao fim e ao cabo, nós sem ti, não existíamos e deveríamos cuidar melhor de ti, pois és a única que nos pode dar abrigo e nem por termos essa noção, estamos a cuidar de ti.
Tenho muita pena que tenhamos chegado a este ponto que se está quase a tornar irreversível, mas agora com esta Pandemia tem sido muito mau para nós seres vivos, mas se formos a olhar para as consequências boas, vemos que tu estás bem mais cuidada e limpinha, como já não devias estar há muito tempo.
Queria também dizer-te que no que depender de mim, cumpro e sempre irei cumprir com tudo o que for melhor para ti, pois quando cuido de ti, cuido de mim e cuido de “NÓS”!
Não sei como te pedir perdão, pela existência pessoas tão ingratas e más, ao ponto de te fazerem tanto mal como estão a fazer…eu sei que são muito tristes estas atitudes, mas como já referi, eu não posso mudar pessoas, mas sim tentar mostrar-lhes o quão incrível e importante para nós tu és, embora hoje em dia eu e muitas outras pessoas tentem transmitir, que não és simplesmente a Terra ou o planeta que tem água no estado líquido ou o único que nos pode proporcionar vida, mas sim o nosso lar, a única coisa nesta vida, que não podemos substituir e as maravilhas que nos podes proporcionar e que toda a gente adora, mas muitas vezes não cuida, o que é muito infeliz.
Para concluir esta minha carta, com muita dedicação e amor queria dizer-te, que irei fazer de tudo para ser cada vez melhor e para cuidar de ti, quero que continues a ser este meu abrigo, que agradeço do fundo do meu coração e espero que continues a cuidar de nós e a proporcionar-nos coisas muito boas como tem sido até hoje.

Vila Nova de Gaia, 16 de junho de 2020
  
Obrigada minha eterna Terra!
  
Atentamente,
Bárbara Silva

" Os últimos Trabalhos,.....
dos nossos alunos".